Crítica da Razão Prática

61yJgKpFc6LHá três traduções da Crítica da Razão Prática dignas de nota: a de Artur Morão, da Edições 70, esta, de Valério Rohden (que traduziu, também, as outras duas críticas), e a de Fernando Costa Mattos, da Vozes.  Já li, há muito tempo, a edição portuguesa de Morão, e agora li a edição de Rohden, de quem já conhecia a tradução da Crítica da Faculdade de Julgar e o livro Interesse da Razão e Liberdade, sobre a filosofia prática kantiana.

É uma boa tradução, que, de algum modo, preocupa-se em retomar a gênese e desenvolvimento do texto, comparando as várias edições publicadas durante a vida de Kant com várias versões posteriores que preocuparam-se em estabelecer criticamente o texto.

Ainda que guarde profunda conexão com a Fundamentação da Metafísica dos Costumes (sobretudo com a terceira seção deste livro), neste livro Kant pretende Continuar lendo Crítica da Razão Prática

Bhagavad Gita

91ikM6PudLLUm dos livros básicos do hinduísmo e de todas as suas derivações, como os Hare Krishna, o Bhagavad Gita é também uma belíssima obra literária e um tratado de Filosofia Oriental (tema que tem me interessado bastante nos últimos tempos: a Filosofia e a Literatura Orientais). O livro faz parte de um relato mais amplo, o Mahabharata, que conta a história da guerra dos pandavas com os karauvas pelo trono.

O arqueiro Arjuna, um pandava, olha os dois exércitos que estão prestes a se envolverem em uma sangrenta batalha (4 milhões de pessoas irão morrer, e apenas 18 pessoas sobreviverão) e reconhece mestres, parentes e amigos do lado de seus inimigos. Em desespero, está prestes a desistir da batalha, pois é um dever não matar seus parentes e mestres, mas, para ele que é um guerreiro, é também um dever lutar. Pede então a seu amigo, e condutor de seu carro, Krishna, que o ensine. Continuar lendo Bhagavad Gita

Fundamentação da Metafísica dos Costumes

61dzpImTbTLUm dos livros mais importantes do pensamento filosófico moderno, a Fundamentação da Metafísica dos Costumes, de Immanuel Kant, quer investigar em que consiste a moral. Para que uma moral valha para todos os seres racionais, ela não pode se originar em nossa experiência, e, portanto, seu ponto de partida não pode ser os costumes em meio aos quais vivemos (e por isso uma melhor tradução para o título do livro seria Fundamentação da Metafísica da Moral). Continuar lendo Fundamentação da Metafísica dos Costumes