Entre a ciência e a sapiência: O dilema da educação

51VW8fSW2jLRubem Alves é um dos maiores educadores, filósofos e teólogos que já houve no Brasil. Em todas essas facetas de seu pensamento, o que sobressai é, no entanto, a do escritor: a forma é tão (ou mais) importante quanto conteúdo em seus textos, ricos em imagens e analogias.
Neste pequeno livro, Entre a ciência e a sapiência, que pode ser lido em menos de um dia, vinte e dois pequenos textos são reunidos em quatro partes. Ele começa discutindo sobre o sentido da escola: não ensinar a pescar o peixe, nem sequer a prepará-lo, mas, como ele diz em outros livros, despertar a fome. Continuar lendo Entre a ciência e a sapiência: O dilema da educação

O que os livros fazem por nós?

Costumo dizer que o ser humano é o único ser capaz de aprender com as experiências dos outros, e por isso o invento mais revolucionário de nossa história foi o livro: ele permitiu que nós aprendêssemos com Moisés, Homero, Platão, Galileu, Shakespeare, Locke, Pascal, Goethe, William James, Einstein… Ler é apropriarmo-nos do tempo dos outros, pensava Sêneca em Sobre a brevidade da vida, pequeno texto que nos diz que, se soubermos aproveitar o tempo que os outros gastaram para pensar e escrever, podemos viver suas experiências e conhecer aquilo que conhecem: podemos acrescentar tempo ao nosso tempo.