81evtU8kGBLThe Catcher in the Rye (O apanhador no campo de centeio): qualquer tentativa de traduzir o título do livro trairá a multiplicidade de significados que ele esconde. Rye é o nome de um riacho na Escócia, a que Robert Burns se refere no poema chamado Comin’ Through the Rye, e contém uma crítica implícita à ideia de sexo casual. Rye é também o Rye Field, campo de centeio, em que o protagonista se imagina com várias crianças bem mais novas que ele, e no qual ele seria um apanhador de crianças que tentam fugir. Fugir do que? Da própria infância, a época mais maravilhosa da vida, e de sua inocência, que Holden Caulfield está progressivamente perdendo, aos 17 anos, quando se aproxima da vida adulta, quando o amor e a ternura inerentes à idealização infantil se transformam em sexo.

Holden se recusa a abandonar esse mundo, a entrar no mundo dos adultos, e por isso se sente deslocado em uma sociedade que exige continuamente que ele cresça. Por isso ele se sente tão desajustado neste mundo (A grande questão metafórica do livro é Para aonde vão os patos do Central Park durante o inverno, quando os lagos congelam? Essa questão remete ao desamparo que sentimos nos momentos de transição, e ao modo como alguns de nós somos protegidos, e outros não, nesses momentos). Holden é apenas uma criança que quer permanecer sendo criança em um mundo que exige dele o contrário. Fugindo da colégio interno que em breve o expulsaria, depois de ter sido reprovado em quatro de cinco disciplinas (“menos em Inglês”), Holden volta para sua cidade, Nova York, mas precisa se esconder dos pais (pois só é esperado em quatro dias). Por isso, ela passa três dias incógnito, hospedando-se em hotéis baratos, dormindo na casa de ex-professores ou em bancos de estações de trem, fumando e bebendo muito (apesar de ser proibido), encontrando-se com prostitutas, cafetões, freiras, motoristas de táxis, ex-namoradas, ex-professores, pervertidos em geral e irmãos, mas fugindo sempre de seus pais e do futuro inevitável.

No livro, o amor inocente que Holden sente por crianças mais novas é o amor por si próprio quando era mais novo, e portanto uma tentativa de agarrar-se à vida que está prestes a perder. É um livro maravilhoso, um verdadeiro Bildungsroman, para ser lido aos 16, 26, 36, 46, 56, 66…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s